ARTE DAS LETRAS

sábado, 5 de novembro de 2016

POESIA - MEIA=ÁGUA

             

MEIA-ÁGUA

Era uma casa simples de meia-água,
como as que lhe avizinhavam,
mas era um aprisco onde
vivíamos felizes.
Tão banhada, tão lustrada,
com aroma de cera e óleo de móveis...

Nasci ali,  na mesma  cama onde fui concebida.
Me criei e  cresci.
Minha meia-água já não existe mais,
lá está um edifício absoluto.
Ficaram algumas fotos do quintal...
Mas hoje,  deu-se o inverso,
já não moro nela,
 é ela que mora no meu coração.
Tenho saudades saudáveis da minha casinha.
Quem não se lembra da casa onde nasceu?

by Didi Leite



Nenhum comentário:

Postar um comentário