ARTE DAS LETRAS

sábado, 4 de junho de 2016

POESIA ALHEIA - VIAGEM ANTIGA DE MÁRIO QUINTANA


VIAGEM ANTIGA   (Mário Quintana)

Aqui e ali
reses pastando imóveis
como num presépio

a mata ocultando o xixi das fontes
uma cidadezinha de nariz pontudo
furava o céu
depois sumia-se lentamente numa curva

e a gente olhava  olhava
sem nenhuma pressa
porque o destino daquelas nossas primeiras viagens era sempre

o horizonte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário