ARTE DAS LETRAS

segunda-feira, 16 de maio de 2016

POESIA - preguiça que não mata


  PREGUIÇA  QUE  NÃO MATA

Preguiça lambe a gente,
jogando a alma para
uma rede balançante,
onde o vento sopra levezinho,
e nuvens em floquinhos,
iluminadas pelo disco dourado,
que ali estão para fechar
nossos olhos pesados,

Preguiça, ócio gigante,
que não nos deixa pensar,
nem levantar para comer
maçãs vermelhas da fruteira,
que descansam  silenciosas na mesa
da copa distante.

Preguiça de falar com qualquer um,
lerdeza que vai das pernas ao pensamento,
embalado pelo som do silêncio.
Silêncio que vem de dentro,
vem de fora e amolece desejo algum.
Os cílios semicerrados não divisam
Vulto nenhum.
Ah ! Que ninguém me chame,
nem se dê conta de mim,
não me venham pedir  favor.
Deixar tudo pra lá,
Tudo tudo  postergar.
Agora só ficar assim.
Eta ! Como é bom ficar de bobeira pra lá e pra cá.
numa rede a balançar.

by Didi Leite
  

Nenhum comentário:

Postar um comentário