ARTE DAS LETRAS

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

CONTOS QUE TE CONTO - BERÊ NÃO VEM MAIS? Final


CONTO
                                    BERÊ NÃO VEM MAIS?

                                                   final


                                                   .... continuação

Jandira achou cedo demais, mas a moça queria porque queria ir embora logo.

Eram cinco horas e cinquenta minutos, Berenice se despediu de Jandira, e esta entregou à moça o dinheiro que ela havia lhe dado na sexta-feira, dizendo:
- Minha filha, leve seu dinheiro. Você vai precisar dele quando chegar em casa. Sua mãe pode precisar de algum remédio.Vá com Deus, faça uma boa viagem. Depois, dê notícias. Qualquer dia desses, quando houver um feriado grande, vou lá fazer uma visita, avise para a comadre. Aqui tem os telefones dos celulares do Nelson e da Gracinda, qualquer coisa ligue. Não esqueça de mandar notícias.

- Obrigada madrinha, fique com Deus! Quando chegar lá, eu telefono dando notícias. Muito obrigada por tudo o que a senhora fez por mim.

A moça entrou no ônibus e logo ele saiu. Ela fechou os olhos e não quis ver mais nada da cidade. Já estavam na rodovia, quando ela abriu os olhos. O dia começava a nascer, o céu já clareava. Berê lembrou das crianças, pensou em Maria Luíza e chorou, silenciosamente. Ao mesmo tempo que se perguntava:
- Por que será que dona Jaqueline não gostava de mim?

Na casa de Jaqueline, todos já tinham acordado, e as crianças foram para a varanda olhar pelas grades, esperando a chegada de Berê. A mãe quis tirá-los de lá dizendo a verdade, mas José Carlos, o marido, não deixou. Mandou que a mulher deixasse as crianças lá. Elas saberiam da verdade, mas isso tinha que ser contado com jeito, principalmente, para Maria Luíza. O tempo passava e Berê não aparecia. O pai foi buscá-los para tomarem café. Chegou perto deles e disse:
- Ei crianças ! Vamos tomar café? Já está ficando tarde!
- Pai, a Berê não vem? Perguntou Maria Luíza
O Pai disfarçou e respondeu que ela estava atrasada ou não viria porque tinha ficado dodói.

E assim, todos os dias esta cena se repetia. Bruno já não ia mais para a varanda, o mesmo, dias depois, fez Mateus. Só Maria Luíza era fiel à sua babá, à sua  querida Berê. A menina ficava com o rostinho encostado às grades, olhando, olhando a rua, à espera de ver a figura da babá chegando. Nunca mais viu a babá chegar. A menina estava triste, com os olhinhos caídos e continuava indo para a varanda todos os  dias. Já se passara mais de uma semana. Um dia, o pai resolveu falar a verdade para a filha. Ela estava arriadinha na varanda com o rostinho colado às grades, quando o pai veio apanhá-la:
- Minha princesinha, vem com o papai que nós vamos conversar.
A menina, parecendo não ouvir o que o pai falou, disse olhando para o alto o rosto do pai, com os olhinhos que iam se enchendo de lágrimas e a boquinha já armando um beicinho de quem ia chorar:
- Papai, a Berê não vem mais?  Nunca mais?

  
                                          FIM

by Didi Leite

Ilustração Imagem Google


 
      
    



Nenhum comentário:

Postar um comentário