ARTE DAS LETRAS

sábado, 29 de agosto de 2015

CONTOS QUE TE CONTO - BERÊ NÃO VEM MAIS? - Parte 2


CONTO 

                              BERÊ NÃO VEM MAIS?

                                                            Parte 2

                                                          .... continuação

Na manhã seguinte, acordou cedo e ouviu barulho da madrinha na cozinha. Berenice pulou da cama e foi logo lavar o rosto. Chegou na cozinha e pediu a bênção à madrinha. Jandira mandou que sentasse no banquinho e tomasse café. Depois, falou para a afilhada:
- Berê, vou sair para passar umas roupas na casa de uma família. Vou aproveitar e ver se arranjo um trabalho para você. Uma patroa minha ficou de confirmar um trabalho, na casa de um casal recém casado. Os dois trabalham fora e estão precisando de uma empregada para o serviço. Vou ver isso hoje. Olhe, não precisa ter medo de ficar aqui sozinha. Aqui é tudo calmo. Aí do lado, mora dona Ernestina, senhora que quase nunca sai de casa. Família grande e todos saem para trabalhar. Já falei com ela que você vinha para cá, e qualquer coisa de que precisar, pode chamar por ela. Antes de ir embora, vou levar você lá para se conhecerem. Comida? Tem feijão, arroz e um pouco de frango ensopado. Tem legumes,  verdura e ovos na geladeira. Se quiser fazer alguma coisa para comer, pode fazer o que quiser. Não vou chegar tarde. Vou passar só camisas sociais, não tem muita roupa, não. Passe uma vassoura na casa e deixe a cozinha limpinha, não gosto de bagunça na pia.
Berenice ouvia tudo calada, só, depois, perguntou a Jandira se podia preparar o jantar para quando ela chegasse.
- Pode fazer alguma coisinha para a janta. Tem linguiça no congelador, pode fazer para o jantar. Quando eu voltar, vou trazer carne para a gente.

Jandira foi se arrumar e pegar a bolsa.  Berenice  foi lavar e arrumar a louça do café.  Ao sair, a madrinha levou Berenice na casa de dona Ernestina. Pediu que a senhora olhasse a afilhada, pois ela tinha que sair para o trabalho. Enquanto falavam, Berenice ficou olhando para o quintal da senhora, e, encantada, olhava as plantinhas, as samambaias nos vasos, os pés de rosa- mariquinha e as begônias de várias cores. Pelos canteiros, muitos pés de brilhantina, todas verdinhas de dar gosto. Imagina, havia até azáleas rosas!  Mas do que mais gostou foi da pequena horta, onde viu pé de alface, pé de couve, salsinha, cheiro verde, hortelã, uma trepadeira de bertalha e vários tomateiros, já com tomatinhos nascendo.  Que coisa boa era a terra! Plantando e tratando tudo nascia e crescia bonito. Jandira deu um puxão no braço da afilhada,  despediu-se da vizinha,  deixou a moça em casa e se foi. Berenice tratou de arrumar as camas, varreu a casa e  limpou o pó.


Era muito cedo para cuidar de comida. Então, Berenice resolveu dar uma volta pelo quintal da casa, olhou e viu que havia muita terra livre e a moça pensou: - Bem que eu podia fazer uma horta e um jardim aqui para a madrinha. Tem tanto espaço nesse terreiro! Mas preciso de mudas de plantinhas. Vou pedir à vizinha, dona Ernestina, se pode me dar umas mudinhas.
A moça chamou a vizinha, que prontamente veio atendê-la:
- O que foi, minha filha ? Está precisando de alguma coisa?
- Sabe o que é dona Ernestina? Eu queria plantar alguma coisa no quintal da madrinha, será que a senhora podia me dar umas mudinhas?
- Ah! Mas é claro que posso! O que você quer? Tem muita coisa plantada aqui, lá nos fundos tem mais plantas. Vamos lá para você ver.
As duas andaram pelo quintal, e Berê ficou encantada com o que viu. Viu pé de guaco, pé de laranja da terra, um variedade de onze horas, todas florindo, viu até alguns pés de  mandioca, encostadinhos à cerca. Viu pé de louro, em volta várias margaridas. 

                                                                continua....

by Didi Leite

Ilustração Imagem Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário