ARTE DAS LETRAS

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

CONTOS QUE TE CONTO - ELE MORA NO MAR - 5a. Parte



CONTO 

                      ELE MORA NO MAR

                                             5a.Parte

                                             .... continuação



Michel arriscou:
- Merina? Seu nome é Merina?

Aí,  a moça espantada ficou sem saber o que responder, mas por dentro achou engraçada a maneira como aquele gringo falava seu nome, Merina. Ela indicou aliviada que o patrão vinha chegando, e virou de costas fingindo mexer no  barril de água. Ela não sabe o que os dois falaram, mas ele saiu sem comprar peixe algum. Só uma coisa chamou a atenção de Marina sobre o rapaz, a cor dos olhos. A mesma cor dos olhos de Ozias, verdes.

Mais uma noite de sessão no terreiro e lá estava Michel sentado num canto quieto. O ritual começou e outra moça puxou o ponto e a dança, mas Marina estava lá no meio da roda, e os olhos do rapaz rodavam e dançavam com ela. Mas aquela noite Michel foi esperto e ficou de prontidão. Quando a sessão ia terminar, mais que depressa seguiu Marina e se aproximou dela já na orla da praia onde caminhava. Ele falou forte:
- Merina!
Ela parou e olhou para ele calada.
- Merina, por favor um instante só, preciso falar com você.
- Comigo?  O que é que o senhor quer?
- Apenas falar, dar boa noite, não sei. Vi você lá no terreiro e achei tudo aquilo muito bonito, é a sua religião, não é?
- É sim. Sou do terreiro. Gosto de lá e dos santos. E o senhor por que vai lá? Na sua terra não deve ter isso, nem o senhor acredita.
- A gente podia tomar um água de coco aqui na orla, você aceita?
- Tenho minha avó que me espera. Não posso, não.
- Mas apenas uns minutos, só uma água aqui pertinho, ali tem carrocinha com cocos para vender, por favor, Merina.
A moça olhou para Michel, olhou seus olhos verdes, agora que ele já estava muito bronzeado do sol que vinha apanhando todos os dias, o verde sobressaía ainda mais. Michel parecia que tinha dois pedacinhos do mar em cada olho. Ela pensou nos olhos de Ozias... "despensou" e aceitou a água de coco. Ressabiada, ficou de pé, não quis sentar na areia. Ela perguntou de onde ele era, o nome dele e depois se calou. Concordou com a cabeça que o céu estava bonito, segundo comentário dele. Sem graça, agradeceu a água e disse adeus e foi embora.

Michel estava endoidecido por Marina, mas não via jeito de chegar mais perto da moça, só indo ao terreiro. Os amigos ligavam para ele e o chamavam para ir ao Rio.


Uma coisa ainda estava na cabeça de Michel, aquela moça do peixe. Ele não sabia o que exatamente era, mas havia uma ligação entre as duas. Mas ao mesmo tempo que pensava assim, logo via que não era possível. Uma era um bicho do mato, a outra era linda e atraente. Foi então que resolveu voltar ao cais.

                                    continua...



by Didi Leite

Ilustração Imagem Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário