ARTE DAS LETRAS

quinta-feira, 31 de julho de 2014

CONTOS QUE TE CONTO - O Vestido - 2a.Parte


CONTO
                                O VESTIDO
                   
                                                                       2a. Parte

                                                                       ... continuação
..... quando Carmem do pé da escada perguntou:
- O que você vai fazer aí em cima, Teresinha?
A moça se assustou, mas não se deu por achada:
- Vou ver o frigobar dos quartos. Vou ver se tem alguma coisa para jogar fora, algum  resto de refrigerante ou iogurte mexido, às vezes eles deixam coisas assim na geladeirinha, tem que limpar.
- Ah! Está certo! E o jantar ?
- Está tudo pronto.
Dito isto, subiu vagarosamente as escadas, controlando sua ansiedade. Disfarçou, entrou no quarto de Paulo Cesar, deu uma olhada no frigobar, saiu e foi direto para o quarto de Rosita. Abriu
o armário do Closet e ficou deslumbrada com a fila de roupas penduradas, cada vestido, cada cor mais linda que a outra. Teresinha cresceu os olhos num vestido cor de uva, nem roxo nem lilás, todo brilhoso, um espetáculo! A empregada pensou: - É este, é com este que eu vou! Agora,  preciso dar um jeito e descer com este vestido sem a ¨escudeira¨ ver. Já sei, vou dobrá-lo bem apertadinho e pôr sob o uniforme. Pensou isso e fez. Desceu as escadas com o vestido por baixo da roupa e a bandeja na frente do corpo. Disfarçou bem, mas nem viu a ¨escudeira¨ pelo caminho. Pronto, já tinha o vestido para o baile!

      No domingo pela manhã, lá foi Teresinha de folga do serviço para casa. Chegou em casa, estendeu o vestido sobre a cama e foi cuidar dos cabelos e das unhas. Sapato ela possuía, um branco alto que Rosita, cansada de usá-lo,  havia-lhe dado. A amiga, Inês, chegou à sua casa e viu o vestido e deu um assobio de admiração:

- Caramba! Teresinha onde você comprou este vestido lindão? Que coisa mais bacana! Ah! Com este vestido não tem para ninguém.  A Maria de Fátima não comprou nada tão lindo e chique assim.
- Pois é, eu dei uma volta para conseguir isto. Peguei emprestado da filha da minha patroa.  Ela nem vai notar! Segunda-feira ponho no lugar.  Eles estão viajando e só voltam na segunda à tarde.
- Teresinha, você é doida! E se ela descobre?
- Descobre nada! Eu sei fazer tudo direitinho.

       À noite, Teresinha estava toda chiquetosa no vestido da patroa, tomou um banho de perfume e lá foi para o baile. Pegou um ônibus e desceu na esquina da rua do clube. Estava escuro, rua deserta, a moça entrou na rua do clube e ia caminhando, se equilibrando sobre os saltos altos, quando dois caras a abordaram:
- Ei! Pode ir parando aí. Passa a bolsa e bico fechado, senão morre aqui mesmo!
Teresinha ficou em pânico. Entregou a bolsa. Os caras quiseram mais:
- Esse vestido vai ficar muito bacana na minha gata. Tira o vestido! 
Ai, Teresinha ficou paralisada. Os caras deram um safanão na moça, gritando:
- Tira o vestido logo! 
Teresinha, tremendo que nem vara verde, tirou o vestido e entregou para os bandidos. Um deles pendurou o vestido no pescoço como cachecol e deu a última ordem à moça:
- Agora, não dá um pio. Vai andando e não olha pra trás!
Teresinha foi andando aos tropeços, só de calcinha e sutiã. Os caras sumiram.  Mas a sorte estava com Teresinha, pois logo veio vindo uma patrulinha, os guardas a viram vestida daquele jeito e pararam. A moça aos prantos contou seu infortúnio. Eles lhes deram um colete para vestir, mandaram ela entrar no carro e foram dar voltas, pois acreditavam que os bandidos, a pé, não deviam estar muito longe.  Logo avistaram dois rapazes, um com algo brilhoso pendurado no pescoço. Era o vestido, eram eles. Todos foram para a delegacia.

                                                              continua....
by Didileite
Ilustração Imagem Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário