ARTE DAS LETRAS

segunda-feira, 30 de junho de 2014

CONTOS QUE TE CONTO - Os Pedidos de Um Livrinho -




OS PEDIDOS DE UM LIVRINHO

                                              3a.Parte
                                                                                      ... continuação


Pensava ele:
- Coitados destes livrinhos! Como foram maltratados!
Neste instante, entrou na sala a menina Daniela.  Ela usava um avental sobre o vestido. Sentou à mesa, pegou uns livros e com a flanela começou a limpar um por um.
Aí,  o livrinho Azul ficou mais contente e disse para si mesmo:
- Mas,  felizmente,  eles vão  ser  restaurados  pelas  mãos  bondosas  desta menina. Alguns com suas páginas  rabiscadas serão apagadas e limpas.   As  rasgadas serão  coladas.  E uma série de outros consertos, deixarão estes livrinhos como novos e poderão, ainda, ser lidos por muitas e muitas pessoas.

De repente, o livrinho Azul viu Julinho parado na porta, e o chamou:
- Oi Julinho, entre, venha até aqui.
 Julinho entrou e nesse instante como num passe de mágica o menino ficou pequenino, do tamanho do  livrinho Azul.  Ele ficou espantado e ao mesmo tempo encantado com sua transformação. Agora, alguns livros lhe pareciam enormes. Rodeados por  todos  aqueles livros é que Julinho podia ver como estavam estragados.
Foi quando o livrinho Azul disse ao menino:
 - Menino, vou  lhe fazer um   pedido  e  quero  que você  transmita
isso a todos que ganharem um livro, ou lerem  um livro de biblioteca,  emprestado de algum colega, ou  mesmo um livro escolar :
                    Que ninguém rabisque,  faça anotações e desenhos   nas
       páginas dos livros.
             Que nunca dobrem as pontas de uma página para marcar
  onde pararam de ler.  Não usem as orelhas das capas para
fazer de marcador.   Não façam orelhas em mim. USEM   UM  MARCADOR DE PÁGINAS
 .     Não molhem as pontas dos dedos para me folhear.
            Não me dobrem ao meio, pela lombada, para ler.
         Que não arranquem nenhuma de minhas páginas
         Que não recortem  nenhuma foto, figura ou ilustração minha
           Que não me leiam quando estiverem comendo ou bebendo
  alguma coisa
            Que se  assegurem de  que as mãos estão  limpas quando
  forem me manusear.
                    Não arranquem minha capa
·                   Não me deixem exposto ao sol, umidade, calor e poeira
·                    Que me  coloquem num lugar limpo, seco e fresco
·                   Não permitam que as traças me façam de almoço
·                   Lembrem que eu levo cultura, diversão, conhecimentos para               
     tantos  quantos me lerem.
                    Se gostarem de um trecho ou uma frase  contida em     uma                  de minhas páginas, copiem, mas não me sublinhem.
             Se algum acidente acontecer comigo, basta  consertar
   logo e pronto, fico em forma outra vez
             Não me joguem no LIXO.   Quando já  me tiverem lido, doem-me  para outra pessoa, ou para uma biblioteca,  para um orfanato, para comunidades pobres.  Sempre há  pessoas que gostam de ler, mas nem todos  podem  comprar  um livrinho.

O livrinho Azul acabou ficando comovido e agradeceu ao  menino 
por ouvi-lo e  prometer transmitir a todos esses ensinamentos.

       -  Julinho !    - Chamou sua mãe -.

- Acorda, já está quase na hora do lanche, guarde esse livro, vá lavar aos mãos e venha lanchar.  Fiz um bolo  de chocolate, que você gosta tanto !

                                                               CONTINUA... 
by Didileite
Direitos Autorais registrados na Fundação Biblioteca Nacional do Rio  de Janeiro.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário